Conduta

Truques de uma mãe para lutar contra as birras infantis


Se o seu filho está prestes a fazer dois anos, você deve começar a se preparar porque as birras vêm. E aqui não há manual de instruções ou fórmula mágica que garantirá o sucesso na luta contra eles, vocês devem encontrar seu próprio caminho juntos! Eu também passei por isso e é por isso que quero compartilhar minha mãe truques para lutar contra os acessos de raiva da infância.

Por experiência, direi que você pode ler livros de teóricos especializados em psicologia ou educação infantil, ouvirá os conselhos do seu pediatra e amigos e familiares tentarão ajudá-lo com seus conselhos e suas experiências, mas mesmo assim, em algum momento, a eterna questão o invadirá : O que estou fazendo de errado?

Os acessos de raiva fazem parte do desenvolvimento normal de uma criança. Por meio deles nossos filhos, com as poucas ferramentas de que ainda dispõem para expressar suas emoções, canalizar a raiva, a frustração ou o cansaço. Portanto, relaxe, não estamos fazendo nada de errado.

À medida que aparecem, eles vão desaparecer à medida que nossa prole amadurece. Paciência é a chave para passar por esse processo. Paciência, ternura e carinho são os ingredientes que devemos incluir no shaker antes de uma birra. Isso soa muito bom como teoria, o difícil é colocar em prática, porque nossos pequenos têm o dom do transtorno e de esticar tanto a corda que nós, adultos, acabamos sobrecarregados.

E é que, às vezes, como pais, embora nos custe, devemos estar cientes de que a única coisa que podemos fazer para ajudar nossos filhos é não fazer nada, apenas acompanhe-os no processo. E embora o desespero tome conta de nós, o mais importante é que estejamos calmos. Sem gritos, sem ameaças de punição e imposição. Apenas acompanhamento e empatia.

No entanto, a experiência do dia-a-dia nos leva a descobrir aqueles 'tiques' que funcionam conosco para que nosso filho se acalme mais cedo e a harmonia reine na família. Não sei se a sorte veio me visitar nesses momentos, mas com as manobras que vou propor a seguir, minha filha superou os acessos de raiva rapidamente e acabamos sempre fundidos num abraço. É por isso que eu encorajo você a experimentá-los e ... espero que funcionem para você também!

1. Ligue para a música
Sempre se disse que a música doma os animais, e é verdade. Desde o dia em que descobri que estava grávida, todas as tardes ouvia a mesma música, 'Cheek to Cheek' de Frank Sinatra, em sua versão mais clássica. Quando minha filha caiu no chão desconsolada e não havia como acalmá-la, toquei essa música. Aos poucos, seu choro se transformou em gemido e antes que a música acabasse ela já estava em meus braços. Você vai ter memórias de quando você estava na minha barriga? Deixo esta questão para os especialistas.

2. Massagem Tripa
Da mesma forma, durante os últimos meses de gravidez, tentei acalmar seus chutes acariciando minha barriga. Aos dois anos de idade, enfrentando um ataque de raiva, eu me sentava perto dela. Primeiro ela começou a acariciar minha barriga e então eu pedi que ela fizesse o mesmo com a dela. Acho que ela estava tão focada em aperfeiçoar os círculos imaginários em seu intestino que se esqueceu do que a levou à tragédia.

3. Expressar emoções
Sempre pensei que as crianças, embora devam viver uma infância feliz e alegre, não devemos esconder a realidade delas. Eles deveriam ouvir os adultos dizerem frases como 'estamos cansados', 'estamos com raiva por este ou aquele motivo', 'não queremos fazer algo', 'que outra coisa nos machuca', para que aos poucos eles normalizar essas emoções e ver que nada acontece, que mamãe ou papai também se sentem mal.

Quando tinha um acesso de raiva, ele às vezes usava essa técnica. Eu ficava ao lado dela e, enquanto ela chorava, falava com ela com calma sobre as coisas que não gostei naquele dia, sobre como me senti mal. Você não pode imaginar como nossos filhos podem ser empáticos. Eles se esquecem deles para cuidar de nós. No final ela acabou me dando um abraço me dizendo que não havia nada de errado, ela até me deixou seu brinquedo favorito.

4. Procure uma distração
No fim, nada mais foi do que tentar fazer com que ele tentasse silenciar seus gritos e birras para poder ouvir minha voz (baixa e calma) para ver o que eu estava dizendo ou propondo a ele, por causa daquela curiosidade. Quase num sussurro, contei-lhe as coisas legais que íamos fazer naquele dia (como se naquele momento eu tivesse me tornado um comercial de entretenimento infantil e minhas propostas fossem uma festa). Falei com ela sobre o parque, que naquele dia eu queria muito brincar de bebê com ela, que ela tinha pensado que poderíamos nos vestir bem quando chegássemos em casa ... Coisas que a fizeram dizer sim a tanta negatividade e que foram fáceis de cumprir.

5. Não faça nada
Sem dúvida, esse é o truque da estrela. Consiste em sentar-se, como um índio, ao lado dele. Abra bem os braços, como se esperássemos, sem pressa, pelo seu abraço. Tudo isso, enquanto olhamos para eles com serenidade (às vezes um pouco fingida, porque o tempo continua correndo e sempre há o que fazer) e com muito amor. Convido você a conferir, cada birra vai durar menos e seu filho vai acabar no seu colo exigindo seus mimos e carinhos.

Você pode ler mais artigos semelhantes a Truques de uma mãe para lutar contra as birras infantis, na categoria de Conduta no local.

Vídeo: 15 SINAIS de AUTISMO LEVE I MARIA CLAUDIA BRITO (Outubro 2020).